sexta-feira, 9 de novembro de 2012

O que é um plano de negócio? Qual a sua importância? É realmente necessário um plano de negócio para empreender?


O Empreendedor é aquele que apresenta habilidades diferenciadas para imaginar, criar e gerenciar um negócio. É dotado de feeling para construir uma visão de futuro e, mais que isso, para executar até concretizar as suas ideias.

Para empreender torna-se indispensável planejar. O índice de mortalidade das empresas iniciantes, até 2 anos, embora venha reduzindo, continua alto. O planejamento é o primeiro passo para a vitalidade da futura empresa ou daquela já constituída. Planejar é oportunizar a organização do processo criativo, possibilitando a concreção de atos essenciais ao desempenho do negócio.

Será que é realmente necessário planejar para abrir um negócio? A resposta pode ser dada por números, de forma objetiva, eliminando qualquer chance de discussão. Conforme explica José Dornelas (2012, p.94), “uma pesquisa do SBA (Small Business Administration), órgão do governo americano de auxílio às pequenas empresas daquele país, pode apontar a resposta: [...] observa-se que apenas 2% dos casos de fracasso das start-ups americanas têm causas desconhecidas. Os demais 98% podem ser agrupados e resumidos em uma única conclusão: falha ou falta de planejamento adequado do negócio”.

Assim, assevera o referido doutrinador (2012, p.94), os “Empreendedores precisam saber planejar suas ações e delinear as estratégias da empresa a ser criada ou em crescimento”. Falar no verbo “planejar” no empreendedorismo significa formular um plano de negócios.

E o que é um plano de negócio? É o documento destinado ao planejamento e ao modelo gestão de um negócio consolidado ou ainda a ser aberto. O plano de negócio poderá ser simples ou complexo, com pouco ou muito conteúdo. O volume que será feito não determina a sua eficiência. O plano deverá acompanhar a complexidade e o tamanho do negócio que se deseja criar ou modificar. Assim, para “vendinha” perto de casa não será necessário um planejamento robusto, isto é, um extenso plano de negócio.

Como visto, planejar é importante para qualquer negócio e o plano é o instrumento para concretizá-lo. Existem os aventureiros que não se debruçam sobre um mínimo de conteúdo a ser planejado. Normalmente as desculpas para a ausência do plano são: “Eu não necessito de um”; “tenho um em minha cabeça”; “não sei como começar”; “não tenho tempo”; “não sou bom com números”; “tenho muito $$$ e não preciso disso, pois já tenho sucesso”. (DORNELAS, José, 2012, p.100)

O plano de negócio, portanto, diminui os riscos da incerteza. Tem como importância ajudar no planejamento do negócio, viabilizando o sucesso ao atender a certos objetivos, quais sejam:

i.             Testar a viabilidade de um conceito de negócio;
ii.           Orientar o desenvolvimento das operações estratégicas
iii.          Atrair recursos financeiros
iv.          Transmitir credibilidade
v.            Desenvolver a equipe de gestão
(DORNELAS, José, 2012, p.100)

O plano de negócio pode ser destinado: 1) as mantenedoras da incubadoras (Sebrae, universidades, prefeituras, governo e associações); 2) Parceiros; 3) Bancos; 4) Investidores; 5) Fornecedores; 6) A empresa internamente; 7) Os clientes; e aos 8) Sócios.

De forma sucinta a estrutura de um plano de negócio normalmente é composta por: Capa, sumário, sumário executivo, análise estratégica, descrição da empresa, produtos e serviços, plano operacional, plano de recursos humanos, análise de mercado, estratégia de marketing, planos financeiros e anexos.

Por todo o exposto, é certo que o plano de negócio é fundamental para a realização do negócio e para o prolongamento da vida útil da empresa.

Referência: www.josedornelas.com.brDORNELAS, José. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. 4. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. O autor também escreveu o livro Plano de Negócios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário